Carta de apresentação


O SECRETO MILAGRE DA POESIA

Sentimo-nos bem com seu contacto.
Disertamos sobre as suas maravilhas.
Auscultamos pequenas portas do seu mistério
e chegamos a perder-nos com prazer
no remoínho do seu interior.
Apercebemo-nos das suas fragilidades e manipulações.
Da sua extrema leveza.
Do silêncio de sangue e da sua banalização.

Excerto

in Rosa do Mundo

20 de abril de 2016

Reino Unido, Anónimo: Ausência, vamos! nunca esperes…


 Ausência, vamos! nunca esperes
desfazer este laço
pondo entre nós o espaço…
Podes teimar quando quiseres:
aos corações de boa liga,
A ausência os prende, o Tempo os liga

Dama tão nobre, quem-na alcança
tem logo a convicção
que o poder da afeição
vence a lonjura e a tardança.
Dois corações enamorados
juntinhos são, mesmo afastados…

E há lados bons em estar ausente
ao meu peito a prender,
sem ninguém mais a ver,
nalgum recôndito da mente…
Ali a abraço, ali a beijo,
          e em sonho iludo o meu desejo.



Anónimo
Reino Unido, Séc. XVI
Trad. Luiz Cardim
in Rosa do Mundo – 2001 poemas para o futuro
Editor: Assirio & Alvim
photo by Google
Enviar um comentário